Historial

Breve Historial da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Figueiró dos Vinhos

  • 1914

    A história dos Bombeiros Voluntários de Figueiró dos Vinhos tem uma génese muito remota. Desde a implantação da Republica (5 de Outubro de 1910) que várias iniciativas surgem para a prossecução de um serviço de incêndios na Vila Figueiroense. As corporações de Bombeiros vão-se generalizando e tomando forma nos concelhos mais dinâmicos do país. A sua formação e organização são tidas como um bem publico a prestar às comunidades, em linha com a filosofia emanada da então jovem república portuguesa, que extravasava em fomentos populares e iniciativas locais. É dentro deste clima que em Outubro de 1914 a imprensa local – «União Figueiroense» – anuncia a chegada de uma “bomba de incêndios”, para os supostos «serviços de incêndios» da Vila, unidade tida como indispensável a fim de “prestar alguns socorros em caso de sinistro”. Daqui se extrai, que a ideia de formar uma corporação de bombeiros em Figueiró dos Vinhos, bem como a necessidade de os apetrechar, já “andava no ar”, pelo menos desde esta altura. Contudo, os novos ventos políticos também acentuavam velhas rivalidades locais, e ideias como esta eram fácilmente usadas como armas de arremesso politico, relegando para segundo plano a vontade de as colocar em prática.

  • 1926-1930

    Em Junho de 1926, por iniciativa da Associação Comercial e Industrial da Vila de Figueiró dos Vinhos, e impulsionada sob o forte estimulo e entusiasmo do seu Presidente, o farmacêutico António de Azevedo Lopes Serra, que se formaria uma comissão destinada a coordenar e a congregar esforços para a aquisição de material, a fim de dotar a Vila “dum serviço de incêndios, devidamente montado”, angariando os fundos necessários nesse sentido e tendo como meta primordial a obtenção de uma moderna “bomba de incêndios”. Para esse efeito, a primeira iniciativa desta Comissão foi a aquisição de “uma rica mobília de quarto” que rifou a 2$00 por bilhete, por sorteio da lotaria natalícia desse ano.

    Em Novembro de 1928 a Comissão Administrativa da Câmara Municipal de Figueiró dos Vinhos alia-se à iniciativa de dotar a vila de um serviço de incêndios, fazendo incluir no seu Relatório de Gerência o facto de ter auxiliado, conjuntamente com a Associação Comercial e Industrial, a criação do «Corpo de Salvação Pública», dotando-o com um quartel, em edifício próprio, que ofereceu à Corporação. O executivo camarário era constituído por Mário Guimarães Cid das Neves e Castro (Presidente); José Manoel Godinho (Vice-Presidente) e Carlos Rodrigues Manata (Secretário). Este primeiro “quartel” não passava de um barracão melhorado e servia unicamente para resguardar a “bomba de incêndios” e os respectivos apetrechos que a compunham.

    A primeira “bomba de incêndios” terá chegado à vila Figueiroense no início do Verão de 1928, enquanto que uma segunda “bomba de incêndios” chegou em 18 de Agosto de 1929.Seria também neste ano que surge a ideia de lançar a divisa “Vida por Vida” para o grupo de bombeiros. É de registar que os elementos que compunham o corpo de bombeiros não usavam qualquer tipo de fardamento, nem capacete. Também não possuíam nenhum emblema que os identificasse. O grupo era constituído por jovens voluntários organizados numa base corporativa rudimentar e que acorriam aos incêndios, sempre que os sinos da igreja tocavam a rebate. Não tinham comandante nem instrutor fixo e a sua agilidade para manobrar a “bomba de incêndios” era puramente autodidacta, a tal ponto, que num incêndio ocorrido numa fábrica de resinagem, se esqueceram de levar a agulheta e a mangueira. Contudo, foram estes valorosos rapazes os percursores dos Bombeiros Voluntários de Figueiró dos Vinhos, cuja acção permitiu dar sustento à ideia e alimentar o entusiasmo de que tal projecto era possível noutra dimensão organizativa.
    Somente em Setembro de 1929 se iniciaria o primeiro ciclo de instrução do grupo, sob a direcção do comandante dos Bombeiros de Pombal, ciclos instrutórios que seriam renovados em 1933 e 1934.

    Em 1930, a Câmara Municipal adquire um terreno a António Azevedo Lopes Serra, a fim de construir um talho, a «casa da bomba» para os bombeiros e outros serviços públicos, obras que ficaram concluídas em 1931.

  • 1935

    Em 18 de Maio de 1935 é oficialmente criada a ASSOCIAÇÃO HUMANITÁRIA DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE FIGUEIRÓ DOS VINHOS, incorporando o Corpo Activo e conferindo-lhe moldura legal por certidão lavrada pelo Governo Civil do Distrito de Leiria. A partir desta data a Associação passa a ter plena existência jurídica e estatutária, oficialmente reconhecidas pelo Estado Português. Ao Corpo Activo é conferida a necessária organização e estrutura oficial ao abrigo dos estatutos da Associação, elaborados, entre 1934 e 1935, e aprovados pelo Governo Civil.

  • 1936

    Em 30 de Abril de 1936 reúne-se a primeira Assembleia-Geral da recém criada Associação Humanitária. Nessa assembleia, que decorreu em ambiente de franco entusiasmo, são eleitos os primeiros Corpos Gerentes e é igualmente nomeado o primeiro comandante do Corpo Activo. É também oficialmente aprovado o lema da Associação: “Vida por Vida”. São também designados os sócios fundadores e os sócios subscritores. Todos estes factos ficaram registados na “Acta nº1” dessa magna reunião. Dos sócios fundadores, existe um quadro com as suas fotos na sala de reuniões da sede da Associação, provando que a sua memória esteve sempre presente ao longo da história dos Bombeiros Voluntários, que lhes reconhece perpetuamente o mérito e a coragem da iniciativa.
    Regista-se, que o primeiro presidente eleito seria o Dr. Joaquim José Fernandes (pai do Dr. Luis Frias Fernandes) e o primeiro comandante da Corporação seria o Dr. Alfredo André Ferreira de Carvalho.
    Em 04 de Maio de 1936 reúne-se por sua vez a primogénita Direcção da A.H.B.V.F.G., lavrando também a sua “Acta nº1”.

  • 1957-1959

    Em Maio de 1957, Ivo de Araújo Lacerda oferece o seu automóvel particular – «BUICK» – à Associação, que o adapta a “pronto-socorro”, apto a rebocar a moto-bomba «aspi» e a transportar bombeiros. Seria esta a primeira unidade móvel motorizada que a corporação possuira.


    Em 15 de Maio de 1959, a Associação adquire um chassis «Bedford» que fica concluído e apetrechado em Dezembro de 1959, transformado num belíssimo e moderno pronto-socorro que orgulha a comunidade figueiroense.

  • 1960-1978

    Em 1960 a Associação muda-se para a parte norte do pátio que a Câmara Municipal possuía junto à sede da Filarmónica, no início da Rua Teófilo Braga, a fim de ali instalar provisoriamente a garagem da corporação e a sua sede. Este primitivo e humilde edifício seria totalmente remodelado entre 1961 e 1963, dotado com dois pisos e gabinetes, no que viria a ser o primeiro quartel digno desse nome e que a Associação usufruiria desde a sua fundação em 1935. Este remodelado quartel seria inaugurado em 03 de Novembro de 1963 em ambiente de grande festa que envolveu toda a população figueiroense. Todavia, viria a ser demolido em Outubro de 1978 para dar lugar ao Palácio da Justiça.

    No Verão de 1963, a colónia Agrícola de Morgade (Montalegre) oferece um jeep aos Bombeiros Voluntários de Figueiró dos Vinhos, este que seria transformado no emblemático «Jeep do Comando».

    Em 13 de Junho de 1970 chega a Figueiró dos Vinhos um Pronto-Socorro «Auto-Nevoeiro Mercedes-Benz», veículo que inauguraria um perfil moderno ao parque automóvel dos Bombeiros Voluntários de Figueiró dos Vinhos.

    Em Outubro de 1973, através de um peditório realizado na província ultramarina de Moçambique, conjuntamente com as freguesias do concelho, é adquirida a primeira ambulância da Associação, de marca «Peugeot 404».

  • 1981

    Após um interregno de cerca de dois anos e meio em que a Associação se viu privada de sede fixa, seria inaugurado o actual quartel da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Figueiró dos Vinhos, em 29 de Março de 1981.

    Actualmente este edifício foi alvo de obras de beneficiação e ampliação, com a construção de um novo piso por cima das garagens, novo parque de viaturas e infraestruturas de apoio.

  • 2010

    Em 23 de Janeiro de 2010 foi inaugurada no Cabeço do Peão a «Unidade Local de Formação dos Bombeiros», complexo este que servirá para prestar instrução às corporações de Bombeiros Voluntários da região.

  • 2015

    A 18 de Maio de 2015, a Associação Humanitária dos Bombeiros de Figueiró dos Vinhos celebra o seu 80º aniversário.